(***)  TEXTO PRODUZIDO PELO FORNECEDOR DO SISTEMA SUCROENERGÉTICO SEM A INGERÊNCIA DO JORNALISMO DA REVISTA OPINIÕES

Prozyn: Acompanhando a evolução das enzimas para açúcar e etanol


A Prozyn é uma empresa especializada em soluções enzimáticas e na aplicação de bioingredientes, possuindo mais de 20 anos de experiência no desenvolvimento de soluções biotecnológicas. Comprometida com a sustentabilidade e a alta qualidade de seus produtos e serviços, a Prozyn investe constantemente em inovação, tecnologia e melhoria da qualidade de vida com a aplicação de enzimas.

Na última década a Prozyn vem desenvolvendo soluções para o setor sucroenergético acompanhando a evolução desse mercado e da aplicação de enzimas nos processos produtivos. Prozyn: Acompanhando a evolução das enzimas no setor sucroenergético. A cana-de-açúcar é uma gramínea originária da Índia e introduzida no Brasil na época colonial, sendo hoje muito cultivada em regiões tropicais e subtropicais do país.

A sacarose é estocada predominantemente nos colmos da planta, no qual pode ser extraída para fabricar o açúcar ou fermentada para fabricar o etanol. Na obtenção de açúcar, a qualidade da cana-de-açúcar tem um papel muito importante no custo da produção. Nos últimos 30 anos várias pesquisas foram realizadas com o objetivo de determinar quais são os polissacarídeos presentes no caldo, que interferem negativamente na qualidade.

A Prozyn com seu time de especialistas acompanhou a evolução desse mercado e ao longo do tempo vem desenvolvendo produtos para esse desafio na indústria.



Linha StarMax: O uso de amilases começou no refino do açúcar, utilizavam-se amilases de média termoresistência. Porém essa aplicação não sanava os problemas do processo de fabricação, mas deixava o açúcar refinado com uma qualidade melhor. O amido continuou sendo alvo de pesquisas, e então uma amilase termoresistente foi utilizada no ultimo estágio do evaporador. Esse processo permitiu a fabricação de açúcar VVHP com mais tranquilidade além de melhorar a qualidade do açúcar branco.

Após estudos a Prozyn desenvolveu a linha StarMax e iniciou a dosagem da amilase termoresistente na decantação. Como a temperatura é mais elevada e a cinética enzimática mostra que quanto maior a temperatura maior é a velocidade de reação, esse novo ponto de dosagem permitiu a redução da dose de enzima e uma melhor eficiência. Porém, quando o açúcar contendo enzimas é utilizado para fabricação de produtos lácteos que utilizam amido como espessante, esses produtos desestabilizam e perdem sua qualidade, isso ocorre devido ao residual de enzimas no açúcar.

A Prozyn com seu DNA inovador, mais uma vez testou várias enzimas e criou uma sinergia para esse desafio da indústria: StarMax Zero, um produto que possui uma termoestabilidade ajustada, dosado antes do aquecedor, que quebra o amido sem deixar residual de enzimas no produto final. (Fig.1)

Fig 1: Bebida láctea fabricada com amido como espessante. A esquerda foi utilizado um açúcar com StarMax Zero sem residual de enzima, enquanto na da direita um açúcar sem Starmax Zero, que apresenta residual.

Linha DextraMax: O uso de dextranase é uma aplicação mais recente de enzimas no processo de produção de açúcar. A dextranase (diferente da amilase) não é termoresistente e não suportava as condições do decantador e do evaporador; por isso foi dosada na moenda, onde teria a condição de temperatura adequada, mas não tem tempo suficiente para ação. Por isso era necessário uma dosagem elevada de enzima, inviabilizando o uso.

A Prozyn percebeu essa necessidade de seus clientes e desenvolveu a Linha DextraMax, dextranases de média termoresistência que podem ser dosadas no último estágio do evaporador, onde possuem o tempo e a temperatura adequados para a sua atuação. O uso de dextranase passou a ser viável, pois as doses diminuíram e a eficiência no processo aumentou.

RendiMax Sugar: Enzimas para aumento de rendimento. Com a mudança da colheita manual para mecanizada, mais folhas e pontas entraram no processo, aumentando assim a quantidade de polissacarídeos no caldo interferindo no processo e na qualidade do açúcar.

O amido, dextrana, arabinogalactanos, levana e outros polissacarídeos, aumentam a viscosidade do xarope causando problemas de cristalização, necessidade de um número maior de lavagens e consequentemente a perda de açúcar no processo.

A Prozyn lançou o RendiMax Sugar, o estado da arte no uso de enzimas em processo de fabricação de açúcar. Uma sinergia entre várias enzimas que quebram os polissacarídeos deixando o açúcar com uma qualidade elevada diminuindo as perdas principalmente graças a redução do tempo de lavagem e diminuição da viscosidade do xarope (fig 2 e 3).

  

Fig 2: Comparação entre a recuperação de açúcar antes e após a dosagem da enzima.
Fig 3: Teste Industrial RendiMax Sugar. Comparação entre o tempo de lavagem antes e após a dosagem da enzima.

O uso de enzimas na produção de açúcar vem evoluindo. A Prozyn inovou e resolveu o problema de residual no açúcar através do desenvolvimento de enzimas de nova geração. Novas tecnologias estão surgindo para melhorar o processo, rendimento, qualidade sem prejudicar o meio ambiente.