(***)  TEXTO PRODUZIDO PELO FORNECEDOR DO SISTEMA SUCROENERGÉTICO
SEM A INGERÊNCIA DO JORNALISMO DA REVISTA OPINIÕES

Água, etanol e indústria ilustram campanhas institucionais do Ceise Br


Representando a indústria de base do setor sucroenergético, o CEISE Br (Centro Nacional das Indústrias do Setor Sucroenergético e Biocombustíveis) sempre esteve engajado em ações sustentáveis, paralelas a essa mesma proposta defendida pela cadeia produtiva da cana-de-açúcar, enquanto fabricante de etanol – combustível limpo, renovável, que gera empregos e renda –, além de ser fonte bioenergética.

Desta vez, a entidade está lançando três campanhas institucionais. Uma delas consiste em estimular o uso do etanol, com a criação de um mascote em formato de uma bomba de combustível (como as de postos), e que carrega a mensagem “#euusoetanol”. A hashtag (# - sinal tipográfico da cerquilha) enfatiza a afirmativa, associada à atual linguagem das redes sociais, para que essa ideia se propague nos mundos off e online.

Nessa mesma linha, a crise do abastecimento de água também mereceu atenção. A figura de um garoto ilustra a campanha que alerta para o desperdício, dando dicas de como economizar esse líquido tão importante e necessário. A iniciativa será difundida por meio de anúncios nos jornais locais, nas redes sociais, além de um material ilustrativo que será distribuído nas escolas.

Com o intuito de fortalecer a indústria de base, que enfrenta graves consequências da crise econômica mundial – e que não poupou o setor sucroenergético, o CEISE Br também preparou uma campanha para reavivar a postura de principal polo industrial da cadeia da cana, que Sertãozinho carrega há mais de 40 anos. Em breve, outdoors irão estampar as margens das principais rodovias da região, além de Araras e Leme, mostrando que a indústria sertanezina é capaz de produzir tudo que o país precisa: automação, metalmecânica e bioenergia.

Para o presidente do CEISE Br, Antonio Eduardo Tonielo Filho, este trabalho reforça a preocupação da entidade com questões que, de alguma forma, afetam o desenvolvimento econômico sustentável do setor que representa. “Precisamos valorizar o potencial do etanol e, tão logo, o da nossa indústria, porque ela faz parte do seu processo de produção. Já a água é um elemento vital, e se a gente não economizar, não preservar, num futuro não tão distante pode realmente acabar”, alerta Tonielo Filho. “Nós dependemos de água para tudo”, enfatiza.