Adriano Terra Fernandes

Gerente de Desenvolvimento de Produto da Sergomel

Op-AA-060

A moderna logística de transporte
A logística é foco de atenção constante no setor sucroenergético, pois o aumento da produtividade está diretamente relacionado à redução de custos e à gestão eficiente dos processos agrícolas.  A tecnologia é, portanto, uma grande aliada para reduções efetivas de custo. Sabe-se que grande parcela dos custos do sistema sucroenergético provém da logística e do transporte, ou seja, do caminho entre a lavoura e a usina, onde componentes como combustível, pneus e manutenção são fatores relevantes na obtenção de uma maior produtividade.
 
Nesse cenário, surgiu a procura por componentes, que fossem ainda mais leves e resistentes, com tecnologia mais adequada. Um dos itens principais na área de transporte foi a adoção no projeto do aço de alta dureza (superior em resistência ao aço estrutural comum), proporcionando, com sua utilização, produtos mais fortes, leves, seguros, competitivos e sustentáveis, agregando dessa forma, desempenho com tecnologia. Produzidos na Suécia, o aço Strenx chegou ao Brasil em 2004 denominado Domex. Pelo seu pioneirismo, acabou tornando-se uma marca de referência e sinônimo dos aços de alta resistência (acima de 700 Mpa de limite de escoamento). 
 
Os equipamentos produzidos com esse material são utilizados pela nossa indústria desde 2005, quando o sistema canavieira sentiu a necessidade de adequação à legislação vigente. No Decreto 4.771, de 29/05/2003, o Contran fez publicar a Resolução nº 258 com a seguinte disposição expressa: Art. 3º. Nenhum veículo ou combinação de veículos poderá transitar com peso bruto total (PBT) ou com peso bruto total combinado (PBTC) com peso por eixo superior ao fixado pelo fabricante nem ultrapassar a capacidade máxima de tração (CMT) da unidade tratora.
 
Até então, não havia controle rígido das autoridades quando ao peso que os caminhões transportavam pelas estradas, o que mudou a partir de 2008. Essa nova realidade causou impacto enorme para as empresas que dependiam do transporte rodoviário, porque passou a fiscalizar o peso máximo permitido para as composições, seguidas de multas para quem descumprisse os limites.  Foi então que a denominada Linha Leve (equipamentos com aço de alta resistência) passou a ser requisitada.
 
Estrategicamente falando, inúmeras ações paralelas para redução de peso foram adotadas, pois o ganho estava sendo relevante com essa nova proposta. Dentre esses ganhos, podemos citar o menor desgaste dos pneus, economia de combustível, tempo maior entre as manutenções, segurança e agilidade, entre outros. Existem, atualmente, no mercado, várias opções que contribuem para uma maior eficiência no transporte, das quais podemos citar: 
 
Calibragem de pneu automática/Rodoar:  a calibragem inadequada é a maior responsável pelo desgaste e descarte prematuro de pneus. Com esse componente, há ganho de tempo e produção, sem haver a necessidade de parar para calibrar os pneus, gerando economia, segurança e conforto.
 
Suspensão pneumática: com uma grande absorção de torções e sobrecargas, a suspensão a ar evita ainda mais a transferência de trepidações e impactos ao chassi, proporcionando, consequentemente, maior proteção à carga e ao veículo. Dessa forma, optar por esse tipo de suspensão trará muitos benefícios, além de estabilidade, baixo custo da manutenção, maior vida útil para a estrutura do veículo. Seus elementos de desgaste são de fácil reposição.
 
Rodas de alumínio:  chegam a ser mais de 40% mais leves que as rodas de aço. Essa redução de peso proporciona menor consumo de combustível, aumenta a vida útil dos freios e amortecedores, resultando em um desgaste menor dos pneus.

Pneu single: Os pneus single são encontrados apenas em equipamentos com suspensão pneumática. A vantagem deles são muitas, a começar pela aquisição e inventário, em que se utiliza a metade quando comparados aos pneus duplos; economia de combustível, devido a menor área em contato com o piso, diminuindo a resistência ao rolamento; menor tara comparada a um rodado duplo, proporcionando maior carga útil e, consequentemente, melhor rentabilidade nos negócios. Com a bitola maior, a estabilidade melhora consideravelmente.
 
Sistema de freio EBS:  EBS (Electronic Brake System) é um sistema eletrônico de frenagem que combina diferentes componentes, como freios de serviço e freios das rodas.

É um sistema de segurança ativa que monitora a estabilidade rotatória e direcional dos veículos. O sistema pode intervir automaticamente, independentemente do motorista, quando um alto risco de instabilidade é detectado, contribuindo, assim, para reduzir a probabilidade de acidentes, particularmente aqueles que envolvem capotamento, tombamento ou derrapagem.
Dentre os benefícios desse programa inteligente, podem-se citar alguns que, com certeza, garantirão uma melhor eficiência operacional, descritas a seguir:
• Ajuda a evitar a sobrecarga, levantando automaticamente o último eixo do semirreboque;
• Melhora a estabilidade do semirreboque durante a condução;
• Mede a carga nos seus eixos e fornece um aviso em caso de sobrecarga, evitando impactos e desgaste do fole pneumático, aumentando a vida útil do componente;
• Sistema integrado de monitoramento da pressão dos pneus, aviso de alta e baixa pressão, aumentando a segurança e a economia de combustível;
• O eixo elevável é levantado automaticamente, sem a intervenção do condutor, quando o semirreboque está vazio;
• Controla automaticamente a altura do chassi durante a condução, aumentando a segurança e a economia de combustível;
• Curto tempo de resposta e menor distância de parada, resultando em uma elevada segurança nas estradas;
• Regulam a pressão do ar conduzida aos cilindros de freio;
• Indicador de desgaste das pastilhas de freio.
 
 A efetiva produção de veículos com esse tipo de controle de estabilidade começa em 2022, sendo que, a partir de 2024, todos os veículos novos (saídos de fábrica, nacionais e importados) deverão contar com essa solução, enquanto os implementos rodoviários (semirreboques) deverão ter o controle de rolagem ou capotamento.