Artur Eduardo Monassi

Presidente da Tracan Máquinas e Sistemas para Agricultura

Op-AA-060

75 anos da colheita mecanizada
O ano de 2019 marca os 75 anos da mecanização da colheita de cana-de-açúcar no mundo. Em 1944, em plena Segunda Guerra Mundial, a Austrália sofria com a escassez de mão de obra em suas lavouras de cana-de-açúcar. Da necessidade nasceu a solução. A família Toft, com os irmãos Harold e Collin, baseada em um projeto criado dois anos antes por Joseph Toft Junior, cria uma máquina para os agricultores locais colherem sua cana. 
 
Três anos depois, as colhedoras mecânicas já são uma realidade. A busca pela evolução não para. Em 1956, Harald Toft cria a primeira carregadeira hidráulica. Em 1960, a máquina já colhia 10 toneladas por hora, ainda com a cana colhida inteira. A colhedora de cana picada, que reduziu a quantidade de terra no processamento, foi criada em 1965.
 
Enquanto isso, em Ribeirão Preto, uma indústria nascia da percepção de um dono de usina, que sentia na pele a dificuldade em gerir a mão de obra em seu negócio. Em 1960, a empresa criou uma linha de carregadora e, 10 anos depois, lançou uma colhedora de cana picada, a primeira da categoria produzida no Brasil e fabricada sob licença de uma indústria australiana. 
 
A Austrália foi o berço da mecanização, mas foi no Brasil que as máquinas evoluíram. Em meados da década de 1970, a indústria dos irmãos Toft, a Austoft, enviou um representante ao Brasil que teve papel importante e decisivo no processo e desenvolvimento da mecanização dos nossos campos plantados com cana, Stanley John Pearce.
 
John Pearce atiçou o mercado e foi fundamental para a evolução da motomecanização do canaviais brasileiros. Ele rodou todas as regiões brasileiras para mostrar as vantagens da colheita mecanizada e levou muitos brasileiros para conhecer os canaviais australianos e suas máquinas. John sempre dizia que “um bom plantio é que determina a eficiência da colheita”. Custou-nos entender e, quando o fizemos, mudamos a história dos nossos canaviais. 
 
A história é longa e merece ser contada, pois a indústria brasileira evoluiu tanto que a plataforma mundial de fabricação da precursora Austoft está no Brasil desde 2004. Todas as empresas trouxeram suas plataformas para o Brasil, e a indústria de Ribeirão Preto foi incorporada por uma multinacional. A colheita mecanizada da cana não era uma opção, era uma imposição legal com o fim da queima e a impossibilidade de colheita manual.
 
Quando as usinas paulistas aderiram em massa ao "protocolo agroambiental", era 2007, e apenas 34% da área de cana-de-açúcar de São Paulo era colhida por máquinas. Foi uma corrida dos fabricantes de máquinas para atender à crescente demanda e acompanhar as mudanças na sistematização dos canaviais. Cada usina e cada produtor estava em busca de mais produtividade; as variedades de cana e as novas configurações de plantio desafiavam os fabricantes. 
 
O pacote tecnológico para maior capacidade de colheita não parava de evoluir e ainda está em evolução. De um ano para outro, algumas máquinas receberam mais de uma centena de melhorias, sempre em busca de mais produtividade, com menor custo operacional e melhor qualidade de colheita.
 
As novas tecnologias das colhedoras diminuíram cada vez mais o trabalho do operador. Elas gerenciam o funcionamento do motor, para proporcionar redução do consumo do diesel. Facilitam a operação e simplificam as manobras e até proporcionam o arrefecimento inteligente. O sistema ainda é capaz de “copiar o solo” para melhorar a qualidade da colheita. 
 
Em 2013, o Brasil bateu o recorde de vendas de colhedoras de cana, quase 1.500 unidades. A legislação que proibia a queima, a falta de mão de obra e a demanda reprimida levaram a esse boom. Além disso, os juros naquela época estavam deflacionados, estavam menores do que a inflação. Muita gente comprou máquina com sobra. Haveria a renovação, mas ela foi antecipada em praticamente dois anos, tanto que, em 2014 e em 2015, as vendas caíram drasticamente.
 
Havia muita máquina no campo e muito ainda o que evoluir nas indústrias. De lá pra cá, a quantidade anual de vendas caiu, em compensação a eficácia da colheita aumentou. Segundo a Anfavea, em 2018 as vendas no mercado interno de colhedoras de cana recuaram 10,8%, para 643 unidades, bem abaixo de projeções iniciais, que sinalizavam 750 unidades. Foi o menor volume da série estatística, que começou em 2013 e que contabiliza as vendas de todas as montadoras. 
 
A pergunta recorrente para nós que trabalhamos com a mecanização da cana é se o mercado vai voltar ao patamar de 2013? A resposta é não. E não vai voltar por “culpa” das próprias montadoras, que melhoram tanto seus produtos que o parque de máquinas tende a ser menor, pois, com a melhor performance em campo, a consequência é de uma demanda menor por colhedoras na frota. Isso é ruim para a montadora e seus concessionários?
 
A evolução ininterrupta, mesmo com a crise que assolou o setor, me dá tranquilidade para afirmar que, com o que temos, é possível quase dobrar a produtividade das colhedoras de cana. O que é fundamental hoje é a qualidade da manutenção das máquinas, um processo constante. 
 
Atualmente, pouquíssimas usinas fazem o que faziam antigamente:  parar na entressafra todas as máquinas para a manutenção. Não mais, agora a manutenção é feita a todo tempo, em todo período de safra. Todo mês tem máquina fazendo uma manutenção geral. Indústria e concessionários têm participação ativa nesse processo.
 
A operação contínua durante a safra traz um desgaste grande para esses equipamentos. Por isso a qualidade da manutenção aumentou bastante e, consequentemente, a disponibilidade da máquina também, o que importa é o TCH, a quantidade de tonelada de cana por hectare. 
 
Se tem máquina disponível, ela rende mais no campo. Muitas tecnologias surgiram para prevenir a possível parada de uma máquina no campo, colhedora ou trator. As máquinas ganham eficiência a cada ano e suprem as necessidades das usinas pelo uso contínuo dos equipamentos, porém as pesquisas em relação a novas variedades mais produtivas ou voltadas para produtos específicos continuam desafiando as engenharias das montadoras.
 
Como, na média, o mercado faz a reposição das colhedoras a cada cinco anos de utilização, a tomada de decisão para a escolha de uma máquina é feita em cima de cálculos contínuos de quanto essas novas tecnologias podem trazer de vantagem. Além disso, o Brasil não é só Centro-Sul, na região Nordeste a mecanização ainda está em 25%, e os desafios quanto à topografia e à área restrita dos canaviais devem gerar também novas demandas. 
 
E, com toda essa evolução, termino falando do John Pearce, que nos deixou um enorme legado. Nos ensinou, lá atrás, que todas as etapas que envolvem o ciclo da cana são importantes, desde os tratos do solo, passando pelo plantio, até chegar à colheita mecanizada, que é apenas parte da evolução que invadiu os canaviais do Brasil.